quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Os Elfos

O elfo é um ser fictício da mitologia e do folclore nórdico. Os elfos nasceram de Ymir, originalmente, eram vermes, assim como os Anões. Os elfos da luz, chamados de Álfar, viviam no céu, num lugar chamado Alfheim, daí o nome Álfar=elfo. Os Alfar ou elfos da luz viviam em Alfheim, uma cidade que ficava nos céus, acima das nuvens, situada próxima a Asgard, morada dos deuses. Havia também os elfos escuros, os Dökkalfar viviam debaixo da terra, e eram muito diferentes dos alfar.

“Os elfos da luz são mais brilhantes que o sol, já os elfos das trevas são mais negros do que a escuridão em si.”

Snorri Sturluson, Gylfaginning, 17, Edda prosaica.

Snorri ainda cita que os anões são os elfos escuros e que viviam em cavernas debaixo da terra.

Na Alemanha média, era comum pensar que todos os pesadelos eram causados por elfos, a palavra alemã para pesadelo é: Alpdrücken, e significa: pressão de elfo.


Nos contos dos Grimm ("Die Wichtelmänner")

No conto: o sapateiro e seus elfos, dois elfos ajudam um sapateiro pobre e sua mulher, confeccionando sapatos para eles todas as noites. Só que os elfos não tinham roupas e andavam nus. A mulher do sapateiro com pena dos pobrezinhos, faz então roupinhas para eles, e numa certa noite deixam as roupas em cima da mesa de trabalho e ficam espiando por de trás das cortinas da casa, e para surpresa deles os elfos vestem as roupas e gritam de alegria e nunca mais voltam a ajudar o pobre sapateiro que com a ajuda daqueles elfos já se encontava em situações melhores.



CONTO: O Sapateiro e os Seus Elfos

Era uma vez um sapateiro, que era honesto e gentil e que trabalhava muito, mas ainda assim ele não poderia ganhar o suficiente, e, finalmente, tudo o que tinha no mundo tinha ido embora, salvo apenas por um único couro suficiente para fazer um par de sapatos.

Então certa noite ele cortou uma tira de couro e a preparou, tudo pronto para fazer um sapato no outro dia, o que significa levantar cedo pela manhã para trabalhar. Sua consciência estava limpa e seu coração leve entre todos os seus problemas, então ele foi em paz para a cama, deixou todos os seus cuidados para o Céu, e logo adormeceu. De manhã, depois que rezou, ele sentou-se na mesa de trabalho, quando para sua grande surpresa, lá estavam os sapatos prontos, sobre a mesa. 

O pobre sapateiro não sabia o que dizer ou pensar e uma coisa muito estranha havia ocorrido, mas ele não sabia o que era. Ele olhou para a obra, não havia um ponto falso em todo o trabalho, tudo era tão puro e verdadeiro, que era completamente uma obra-prima.

No mesmo dia, um cliente entrou, e os sapatos lhe convinham tão bem que ele voluntariamente pagou um preço maior do que o normal para eles, e o pobre sapateiro, com o dinheiro, comprou couro suficiente para fazer mais dois pares. 


À noite, ele cortou o couro, mas muito cansado foi cedo para cama deitar, para que pudesse se levantar e começar cedo no outro dia. No dia seguinte para sua surpresa lá estavam, dois pares de sapatos perfeitos sem qualquer erro de fabricação.


Logo vieram dois compradores e compraram os dois sapatos, então o pobre homem comprou mais couro para fazer mais quatro pares de sapatos.
Ele cortou o trabalho novamente durante a noite e o encontrou feito pela manhã, como antes, e assim continuou por algum tempo: o que era para ser feito, sempre se encontrava pronto. O pobre homem logo teve mais dinheiro do que antes, as coisas estavam bem.


Na noite de Natal, como ele e sua esposa estavam sentados conversando sobre o fogo juntos, ele disse a ela:

Gostaria de saber essa noite, quem está nos ajudando!

 A esposa gostou da idéia, e assim eles deixaram as velas acesas, e se esconderam em um canto da sala, atrás de uma cortina que estava pendurada e esperaram o que iria ocorrer.

Assim à meia-noite, apareceram dois anõezinhos nus, e eles sentaram-se sobre a mesa de trabalho e começaram a trabalhar, assumindo todo o trabalho. A noite passou, até que os elfos sumiram, deixando os sapatos ali em cima da mesa.

A pobre mulher disse ao sapateiro, perplexo:

Estamos bem de vida por causa desses elfos, e devemos agradecer a eles. Me deu pena ver eles correndo peladinhos, isto não é justo! Eu vou fazer umas roupinhas para os pobrezinhos e você faz 2 pares de sapatinhos, ouviu?
A idéia agradou o sapateiro. Quando as roupas e os sapatos dos elfos estavam prontos, eles colocaram as vestes, à noite, em cima da mesa de ofício, e então se esconderam para ver o que iria acontecer.


À meia-noite eles apareceram e já foram se sentar na mesa para trabalhar, como de costume, mas quando viram as roupas em cima da mesa, deram risadas, vestiram rapidamente as roupas e sumiram, sem nunca mais retornar.
O sapateiro e sua mulher, embora não tivessem nunca mais ajuda dos elfos, já estavam bem de vida e viveram felizes até o resto de suas vidas.

Fim

"Die Wichtelmänner", Irmãos Grimm.