terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Um breve resumo e critica do conto Nas Montanhas da Loucura de H.P. Lovecraft

Diferente do conto de Lovecraft, a Antártida não tem montanhas tão altas como o autor relata. Na imagem vemos grandes bloco de gelo. O continente tem sim montanhas altas, mas nada que se compare as já conhecidas.

Os grandes autores e diretores da ficção cientifica sempre citam Howard Phillips Lovecraft como sendo o autor que os inspirou. Agora que li Nas Montanhas da Loucura, realmente vi que filmes como A Coisa (1982), Alien: O Oitavo Passageiro (1979) e até mesmo o jogo Dead Space não passam de migalhas comparados ao universo inteiro que Lovecraft a vida inteira trabalhou, tendo a fama de amador e sendo rejeitado pelo grande público em vida.

ESSE POST CONTÉM SPOILER!

Narrativa cansativa e poética

O problema das narrativas de Lovecraft é que são sempre em 1ª pessoa, daí a fama de amador que levou, porque de fato era Lovecraft que vivia aquelas aventuras e não seus personagens.

Não existem diálogos e Lovecraft faz uma narrativa um tanto poética, fica visível a influencia de Allan Poe em suas narrativas. Ele poderia ter amenizado isso colocando diálogos, notas no rodapé e sendo mais breve e conciso. Fica claro do porquê Lovecraft foi rejeitado pelo grande público: ele usava uma narrativa poética e um pouco culta demais para os padrões do grande público.

A imaginação universal

Se Lovecraft tem uma narrativa densa que talvez seja mais acessível aos poetas e apreciadores dos romances clássicos, a fantasia de seus livros conseguem ser acessíveis à todos. Quem não gosta de uma boa história de ficção cientifica?

O recomendável seria que todo o adolescente lesse Lovecraft antes de assistir esses filmecos como A Coisa e Alien, que são cópias mal-feitas e baratas do trabalho de Lovecraft. Infelizmente no Brasil o gosto pela leitura e sobretudo pelo conhecimento é visto como uma ameaça pelo governo tirânico que temos, muito associado ao socialismo.

Um conto de aventura e não de terror

Não há terror ou horror na história de Lovecraft, ele realmente tenta colocar um horror; mas no fim acaba sendo um conto de ficção cientifica e nada além disso. Nota-se que o autor se inspirou em A Viagem ao Centro da Terra de Verne, em A Guerra dos Mundos e em A Ilha do Dr Moreau, ambos de HG Wells; mas inspiração não é plágio!

A ideia de aliens viverem no subterrâneo da Terra é antiga, assim como a teoria da terra oca. A mitologia indiana, por exemplo, fala dos nagas, uma espécie estranha de seres que da cintura pra baixo tem corpo de cobra e da cintura pra cima são humanoides e que vivem no subterrâneo da Terra.

ATENÇÃO: esse é um breve e mal-feito trecho resumido feito para fazer com que você se sinta entusiasmado para ler o conto original para tirar suas próprias conclusões. A história não está completa! Se quiser saber todos os detalhes, incluindo inicio e o final da história: RECOMENDO LER O CONTO!


Atlântida de alienígenas feiosos e seu declínio

O melhor no conto é quando eles interpretam pinturas e relevos nas paredes das cavernas que contam de uma raça alienígena (chamada de Antigos) que veio dos confins do espaço-tempo e por aqui viveu antes mesmo dos dinossauros surgirem e com o tempo uma segunda espécie alien veio das estrelas e entrou em guerra com os Antigos, essa segunda espécie é a de Cthulhu, e baniu-os para os confins da Terra.

Surgiu logo depois uma terceira espécie alien, esta vinda de Plutão, e que se assemelhava ao abominável homem-das-neves. No fim os aliens Antigos conseguiram sobreviver incrivelmente e em guerra com essas duas outras espécies. Contudo o que levou ao seu declínio foi a criação de uma espécie de escravos que viria no final causar sua extinção.

Vimos essa mesma revolução social em A Ilha do Dr Moreau e muitas décadas depois do conto de Lovecraft em O Planeta dos Macacos do autor francês Pierre Boulle, possivelmente baseado na Revolução Francesa.

O notável é que Lovecraft coloca seus alienígenas como verdadeiros alienígenas mesmo, nenhum pouco bonitos ou elegantes. Ao mesmo passo que os Antigos são inteligentes e altamente telepatas, são feiosos e quase assexuados.



Um conto recomendável e necessário

O único problema do conto, como já disse, é sua narrativa. O resto é sensacional. Lovecraft lança ao mesmo tempo um questionamento sobre o uso indevido da tecnologia e a visão de que o homem não sabe de nada! Somos como ratos num planeta que mal conhecemos e a ciência é a nova religião, cheia de tabus e devaneios.

Desenho de um Antigo, um dos aliens que aparecem no conto. Diferente do alien de O Chamado de Cthulhu, esse é de uma espécie diferente e um tanto superior.