quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

A verdade por trás dos símbolos: as religiões paleolíticas se adaptaram e se tornaram nas atuais!





Zoroastro com sua divisão entre o bem (Ormuz) e o mal (Ariman) é o exemplo mais notável da adaptação de uma religião antiga em novas! As religiões semitas: judaísmo, islamismo e cristianismo foram influenciadas pela ideia de uma entidade benéfica e outra maléfica, ou o exemplo é mais antigo?


Do paleolítico aos tempos atuais

Possivelmente a idéia de entidades malignas e de um deus do bem e do mal vem antes da idéia de Zoroastro, possivelmente ele pegou algumas histórias do folclore mesopotâmico e em sua “filosofia” as adaptou. Não dá pra sabermos com exatidão de onde vieram e como surgiram, há teorias; e a mais ampla delas suspeita de que tudo começou no paleolítico!

Os hominídeos observaram que assim como a noite e o dia, o fogo e a água, o frio e o calor (entre outros exemplos) haveria uma dualidade nisso tudo, uma luta!


Há muito mais água debaixo dessa ponte!

Não apenas a dualidade das coisas, mas toda a ideia de ressurreição dos mortos e posteriormente reencarnação vieram do paleolítico.
Imagine como reconfortar uma pessoa sobre a perda de um ente querido? Ou da não aceitação da morte completa?

Possivelmente a ideia de ressurreição foi a primeira a ser divulgada pelos seres humanos primitivos e lá pelas tantas um deles teve a ideia de que ao invés de um morto voltar à vida, seria mais óbvio existir uma alma! E essa alma é que dava animação ao corpo!


Exemplos de religiões que são adaptações das religiões antigas

As religiões semitas aqui no Ocidente são o exemplo mais notável: temos um Deus-Pai-do-Céu, uma Deusa-Mãe-da-Terra (o Espírito Santo no cristianismo, a Virgem Maria e no islamismo e judaísmo sendo ignorada) e o Deus-Filho (no cristianismo é Jesus, no islamismo Maomé “o grande profeta” e no judaísmo Moisés).

Não obstante temos símbolos de religiões antigas (que as pessoas vulgarmente conhecem como SÍMBOLOS PAGÃOS).

A cruz cristã não passa de uma adaptação da suástica, símbolo dos arianos que por incrível que pareça provém do povo da velha Europa que fez intercâmbio com os arianos e por fim foram praticamente dominados.

A Lua crescente com a estrela d’alva, símbolo do islamismo é um símbolo sumério e representa o período fértil da mesopotâmia, é uma referência à deusa sumeriana Inanna (chamada posteriormente de Ishtar pelos os acádios, Afrodite pelos gregos e Vênus pelos romanos).

A estrela de Davi, ou melhor o hexagrama também é um símbolo mais antigo que a religião judaica, cristã e islâmica juntas. O hexagrama tem raízes possivelmente no Oriente Médio e Índia Antiga. Na Índia ele é um símbolo que representa a criação, a união entre o masculino e feminino. O triângulo (▲) representa o homem, o pênis, a altura e por aí vai e o triângulo virado (▼) a mulher, o ventre, a vagina, o oposto ao homem...

Há inúmeros exemplos de religiões que sofreram adaptações, mas isso daria um livro!

Indo mais longe: a própria idéia do sacrifício de Jesus Cristo remete às religiões antigas, onde uma pessoa de boa vontade se sacrificava aos deuses! 

O sacrifício para salvar um povo pode ter tido origem em algum hominídeo que se matou para defender seu povo contra um inimigo ou contra povos inimigos. Guerras sempre existiram e os que morrem não passam de pessoas que se sacrificaram pelo bem de seu povo.


Do cristianismo da crença da ressurreição do corpo ao espiritismo da crença na reencarnação

Quem veio o primeiro? O ovo ou a galinha?

Aquele mesmo papo que eu falei acima sobre que a crença da ressurreição vir primeiro é a mesma coisa:

Vemos hoje a força que o espiritismo tem ganhado força, diferente das religiões cristãs que pregam a ressurreição dos mortos (baseada na crença egípcia da mumificação); pois não exige dinheiro como recompensa, tem uma lógica mais apurada (melhor do que acreditar que um morto vai voltar à vida depois de virar osso), fala da lei do retorno (tudo que vai, volta) e tem uma visão mais complacente a respeito da vida e dos direitos sociais.

Budismo, espiritismo e CIA

 
Estrela do movimento raelian (raeliano) que prega algo parecido com a teosofia de Helena Petrovna Blavatsky: a união das crenças.

O budismo veio de uma linha de pensamento oposta ao hinduísmo tendo como líder Buda, o mesmo foi o espiritismo tendo como profeta Alan Kardec.
Hoje há associações de todo o tipo, fala-se de aliens reencarnados, como o movimento raeliano e mais além, lá pelo século 19, por exemplo, Helena Petrovna Blavatsky veio com sua teosofia.

Vemos que a religião é como uma árvore, sempre há um broto nela; mas suas raízes vêm do paleolítico tendo como combustível o medo de não conseguir controlar a natureza, e, sobretudo, a morte.